Uma viagen pelo universo da imaginação

o firmamento não se move

Verbo de ligação

Sempre gostei do ermo. Recolhimento me conforta. Fico eu, na intimidade da minha alma.

Não por acaso morei em sítio por mais de uma década. Não por acaso habito distante da cidade. Não por acaso vim viver na Amazônia. A urbe eu apenas tolero.

E quando meu coração fica triste, machucado, assustado, cansado ou meramente meditativo, a solitude é ainda mais bem-vinda. Tomo as estradas, que me levam às paragens distantes.

Então tenho um ritual noturno. Me calço bem, que a noite é úmida e tanto os chineses como os amazônidas ensinam a evitá-la. Me envolvo em xales  e procuro os espaços abertos. Longe da luz elétrica, vou apreciar o céu.

Lua cheia sempre é um banho de encantamento. Mas a nova é um presente. Os astros brilham mais do que nunca. E eu fico observando, cada vez mais contente por ter levado o olhar para cima.

Um pensamento frequentemente…

Ver o post original 120 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s