Uma viagen pelo universo da imaginação

e lá vou eu de novo, se eu não morro eu mato

Fernanda Beziaco

8

O jornalista não tinha como entrar na festa. Ele teve que ficar de prontidão do lado de fora. Teve que esperar as pessoas chegando, para tirar as fotos e teve que esperar as pessoas saindo. A festa não seria no mesmo hotel que estávamos hospedados. Inclusive, a festa não seria em nenhum hotel. Aconteceria em uma casa que um senador alugava especialmente para suas festas particulares.

Com certeza tudo era pago e desfrutado com o dinheiro público. O dinheiro suado de trabalhadores que estavam dia e noite ralando para conseguir subir na vida. Inclusive o meu dinheiro. Tantos impostos, tantos roubos descarados, e nós, sofrendo calados. Ou, reclamando sem sermos ouvidos. Tão frustrante. Tão frustrante saber que esse canalhas políticos constroem suas fortunas roubando de pessoas que se sacrificam diariamente pra tentar construir um mínimo para viver.

Essa casa, pelo o que fiquei sabendo algum tempo depois, era apenas uma…

Ver o post original 1.164 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s