Uma viagen pelo universo da imaginação

Figurando a linguagem

Fernanda Beziaco

O rei com o rei na barriga ficava em seu trono tapando o sol com a peneira

E bebendo água que passarinho não bebe

Todo dia era essa rotina de amarrar o burro na casa da mãe Joana

Um dia, sentido-se solitário, o rei chorou sobre o leite derramado

E resolveu dar com a língua nos dentes e encher linguiça

Mas ninguém quis engolir sapo e o rei deu com os burros n’água

A verdade é que o rei tinha espírito de porco e gostava mesmo era de fazer tempestade em copo d’água

O que ninguém notava era que que todos os reis eram farinha do mesmo saco

E de crocodilo eram suas lágrimas

Mas o povo não tinha memória de elefante e vivia com o rabo entre as pernas

Sempre pagando o pato pra inglês ver

O rei sempre iludia prometendo mundos e fundos o que lhe quebrava o…

Ver o post original 55 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s